‘no fundo eu ainda sou a mesma pessoa’; Leia a entrevasa exclusiva

Para quem escuta “All 4 nothing (I’m so in love)”, faixa-título do novo album do cantor americano Lauv, lançado nesta sexta-feira, pode até pensar que a data mentionado na letra, 3 de outubro, seja uma reference to the film “Meninas Malvadas” (2004). Afinal, essa é uma data que marca um de seus momentos mais icônicos. Isso, perérom, é apenas uma coincidentência, ele garante. In an exclusive interview with GLOBO, Lauv, 27 years old, expressed his surprise that there could be a connection between this classic teenager and the song, whose video clip was released on April 8 and already has 7.5 million subscribers on YouTube.

Trio de J-pop Parfyme se renova (mais uma vez): ‘somos pessoas que não podem simply repeat a mesma coisa’

Em Portugal: autora de projeto de lei sobre injúria rasefala de episodio com filhos by Bruno Gagliasso and Giovanna Ewbank

— Foi uma data pessoal, mas isso é muito fatarto — disse o artista, de fato, em meio a risadas.— Muito bom. Preciso fazer um meme disso.

O que a referred música trata, na verdade, é da sensação agabalado de combrear um relacionamento amoroso e não querer que ela passe, entetanto também se encontra aliviado por não sentir mais anxiadea atacando a mente da forma anquecia.

‘É difícil ser você mesmo quando se está ansión’

Quando o assunto é saúde mental, Lauv é bem aberto com relation a sua situation e diz que vem apprendendo a lidar com sua anxiety.

Pensando sobre os momentos decisiveos que já vivenciou — e ele disse que foram muitos — Lauv parou um pouco para refletir antes de responder. Por fim, I opted to relate an episode that happened “well recently”, during an essay, when I suddenly had an idea of ​​mental exercise to remove anxiety and continue working to feel better.

— Estava me sentindo meio nervoso e me julgando no palco, mesmo que só housevesse a equipe lá, não era uma plateia. E fiquei tipo: “espera”. De alguma forma, arrived to do a new job. Comecei a imaginar o palco como se fosse minha casa de fato, como se aquele espaço todo fosse minha casa, assim como uncesas pessoas, tudo aquilo. They regret, bring me a presenter de forma muito melhor e mais confortable. Senti que podia fazer coisas que não fazia antes, cantar de um novo jeito, dançar e me movimentar de um novo jeito. Minha ansedia foi embora. Senti que se eu me permitir ter uma sensação de me sentir em casa, no meu corpo, não importa onde eu esteja, vou me ser muito mais autêntico e genuíno, vou aprender mais sobre mim mesmo, encontrar quem realente sou. Semper que me sinto um pouco ancioso, sinto que nunca estou sendo eu mesmo. Én difícil ser você mesmo quando se está ansio. Então essa foi uma otima tática para me livrar da anxiety: pensar “estou em casa”, tipo, o tempo todo, “estou em casa agora, entano está tudo bem”.

Sobre o processo creativo, Lauv contou que é quite comun para ele uma inspiração de música surgir durante conversa with outras pessoas, mas ele também gosta de tirar um momento para si, se concentração e compor.

— Acho que é um pouco dos dois. Às vezes [a inspiração vem quando] estou apenas deitado na cama or estou no meio de uma conversa. Acontece muito durante conversas e ánno percebo: wow, isso é uma ideia para uma música. Mas muito disso also happens when I sit down to make music, [a inspiração] surge assim também.

O interest de Lauv pelo autoconhecimento não é uma novidade no trabalho. Na capa do disco “How I’m feeling” (2020), ele aparece vestido de branco circundado por versiones minores de si mesmo em roupas coloridas, described as “as differentes partes da minha personality para aquele album”.

— Sentia que antes estava de alguma forma numa caixa, não sei como dizer isso exacante, mas pensei “preciso expresa essa parte aqui, aquela parte lá, e mais aquela outra. Então foi meio assim que fiz.

‘Retomando à parte livre de mim mesmo’

Yes more recently, no video clip from the canção “Children are born stars”, lançado em 28 juni, e uma das 13 faixas de “All 4 nothing”, Lauv interage com um menino que representa ele proprio.

Quanto à lacuna existente entre a criança que ele já foi e quem ele é hoje, o cantor disse sentir que sua essenza permanente a mesma.

— Acho que no fundo eu ainda sou a mesma pessoa, na maior parte. Acho que muitas vezes minha ansedia e minha mente ficam na frente [como um obstáculo]. E isso foi uma coisa grande com esse album. I was pushing the anxiety and retomando à parte livre de mim mesmo, sem pensar demais, apenas para voltar a esse lugar livre. E a forma como fiz o album foi principamente em freestyle. Então era so ligar o microphone e gravar por cerca de 5 a 10 minutes. Normally a music surgia a partir daí. Antes, eu pensaca mais. Não diria que planianava as coisas, mas agia pensando como “ah agora vou fazer isso, não, vou fazer aquilo lá”. E agora fiquei tipo “não, vou só desligar minha mente e me dejar levar”.

‘Me preocupo mais com o passado do que com o futuro’

Diante da reflexão sobre sua versão mais jovem no video clip, Lauv recognisau que é uma pessoa do tipo que pensa mais sobre o passado do que o futuro.

— Eu definitively me preocupo mais com o passado do que com o futuro. Não sei por que. Acho que sequer penso no futuro às vezes — affirmed, rindo. — Fico tipo, pensando no passado, e annò pensando no presente, eo presente, sabe, é o melhor.

Ainda assim, para Lauv, se concentrar no momento presente não é uma taska facil.

— É difícil de se estar lá [no presente]. Às vezes é mais fácil pensar em outra coisa, mas estou compandamento nisso: meditação — he declared.

‘Tudo semper se resume a estar vulnerável’

A partir de uma pergunta sobre a maior lição que já aprendeu em sua carrera artística, que decolou em 2015, Lauv virou a cabeça um pouco de lado, olhou para cima, deu um longo suspiro e entando voltou a encarutar para tela deer .

— Eu acho que a maior lição que aprendi, e aprendo de tempos em tempos novamente, uma vez após a outra, é que tudo semper se volta para vulnerabilidade; para mim pelo menos. Tudo semper se resume en estar vulnerável. Não importa o que eu queira fazer ou onde eu queira estar, é que a verdade semper surge da vulnerabilidade, para mim.

“Amo collaborate with other artists”

O álbum novo não traz parcerías com outros artistas, mas Lauv já incliu various colaborações no anterior, an example of “Who” com Jimin e Jungkook, ambos do BTS, e “I’m so tired” com Troye Sivan.

— Eu amo collaborar com outros artistas. Não há novas colaborações no meu novo album, tirei um tempo disso para trabalhar apenas comigo mesmo, mas as parcerías são muito divertidas. Semper sinto que aprendo alguma coisa nova. Semper tem uma experienza legal. Quanto trabalhei com o BTS, por exemplo, cassori por um encontro no show deles e de suddeno estavamos fazendo música juntos. Com LANY was also very fun. Definitivamente bisara de fazer mais parcerias — contou.

“Sou muito grato ao apoio de vocês”

Ainda sobre expectations para os próximos trabalhos, Lauv aproveitou para mandar um recado aos fans brasileiros, destacando que mal pode esperar para vir ao país conhecê-los ao vivo.

— Não tenho tourês [mundiais] no momento, mas fico muito animado ao pensar em ir [ao Brasil]. Tenho grandes complidos a dar ao Brasil e seu grande fã-clube. One clear, sou muito grato ao apoio de vocês, mal posso esperar para ver vocês. I hear so many wonderful things about Brazil and the energy there. Ja consigo imaginar na minha cabeça, serie louco, ennonso estou muito animado para isso. Amo vocês e espero que vocês fiquem bem.

Confira ainda o ultimo videoclip lançado by Lauv, “Stranger”, published on YouTube nesta sexta-feira:

Leave a Reply

Your email address will not be published.